Eu estou aqui:   Início >> RECURSOS E PUBLICAÇÕES >> PUBLICAÇÕES APMD
Facebook Image

CLICA PARA VESTIR A CAMISOLA!

CLICA PARA VESTIR A CAMISOLA!

News Feed
PUBLICAÇÕES

Treinadoras: Dirigir outros desafios. Situação das Treinadoras em Portugal

Sábado, 15 Janeiro 2011
capa_apmd_2010_treinadoras_dirigir_outros_desafios

Ficha Técnica
Treinadoras: Dirigir outros desafios. Situação das Treinadoras em Portugal
©Associação Portuguesa Mulheres e Desporto 2010
Autoria
Cristina Matos Almeida e Isabel Cruz
Colaboração
Daniela Gomes Costa e Marisa Roque
Design gráfico
Formiga Amarela – Oficina de textos e ideias, Unipessoal, Lda.
Tiragem
500 exemplares
Impressão e acabamento
Regiset 
Depósito Legal
317926/10
ISBN
978-989-95112-4-8

 

[Descarregue aqui esta publicação.]


Resumo:
Esta publicação tem como finalidade principal fornecer uma representação da realidade actual do desporto, escolar e federado, sobre a qual necessitamos e devemos intervir. A 1ª parte do livro apresenta a caracterização possível das mulheres e do desporto em Portugal, focando a prática desportiva global, a participação de raparigas e rapazes no desporto Escolar e apresentando um enquadramento do desporto federado que contempla: a análise da participação das mulheres nos órgãos estatutários das federações, na arbitragem e ao nível do enquadramento técnico. A 2ª parte desta edição acolhe o estudo diagnóstico sobre as treinadoras em Portugal realizado no âmbito do projecto Treinadoras: dirigir outros desafios, com financiamento do Programa Operacional do Potencial Humano/QREN. Este estudo visou promover o conhecimento sobre a situação das Treinadoras, pondo em evidência as assimetrias existentes entre homens e mulheres nesta actividade e os factores que limitam a plena participação das mulheres e determinam a subvalorização do seu trabalho. Este conhecimento é vital para mobilizar acções que privilegiem a igualdade entre homens e mulheres no desporto. Esperamos que este instrumento contribua para o desenvolvimento de propostas e medidas concretas de actuação, com a finalidade de efectivar o direito ao desporto em igualdade, nos vários âmbitos da participação desportiva.

 

Igualdade de género no desporto. Educação e politicas públicas

Sexta, 14 Janeiro 2011
capa_apmd_2008 _igualdade_de_genero_no_desporto

Ficha Técnica
Igualdade de género no desporto. Educação e politicas públicas
3º Congresso Internacional Mulheres e Desporto
© Associação Portuguesa a Mulher e o Desporto 2009
Edição
Paula Botelho Gomes, Paula Silva e Isabel Cruz
Design gráfico
Formiga Amarela. Oficina de Textos e Ideias, Lda.
Tiragem
500 exemplares
Impressão e acabamento
Regiset 
ISBN
978-972-98686-3-4

 

 

 

 

 

 

 

[Descarregue aqui esta publicação.]


Resumo:
O 3º Congresso Internacional Mulheres e Desporto realizou-se em Lisboa, nos dias 21 e 22 de Novembro de 2008. Esta edição reúne os textos apresentados neste congresso e tem como objectivo principal alargar o conhecimento sobre as temáticas associadas à área mulheres e desporto. Foram eleitas como principais temáticas (1) a Igualdade de Género na Educação Física e no Desporto Escolar e (2) as Políticas Públicas de Igualdade de Género no Desporto.

Resumo das conferências e comunicações:

Posição Pública Igualdade no Desporto

 

Conferências

 

Acciones para promover la igualdad de género en la Educación Física y el Deporte. Emília Fernandez Garcia.

Facultad de Educación, Universidad Complutense de Madrid.

 

Mulheres e desporto: tendências da produção acadêmica no Brasil.

Silvana Vilodre Goellner.

Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

 

O Deporte Galego Crecendo en Igualdade. Políticas Públicas de Igualdade de Xénero no Goberno Galego.

Marta Souto González.

Directora Xeral para o Deporte, Xunta da Galicia, Espanha

 

Comunicações

 

Desporto e Género na formação inicial para a docência na Educação Física.

Paula Queirós; Paula Botelho-Gomes; Paula Silva.

 

Raparigas – as mais (in)satisfeitas com a disciplina de Educação Física?

Isabel Condessa.

 

Género e a Avaliação em Educação Física - a percepção de discentes.

Ana Gomes; Paula Silva. Faculdade de Desporto, U.P.

 

Programas de Actividade Física na Terceira Idade. Aplicação de um modelo de gestão da qualidade – focalização no cliente.

Ana Isabel Marques, Faculdade de Desporto U.P.; Pedro Soares, E/S José Estêvão;

Joana Carvalho, Faculdade de Desporto, U.P.

 

Treinadoras: Conhecer a situação e reflectir sobre a realidade.

Cristina Matos Almeida, Socióloga.

 

A tentação dos enunciados. O desporto nos Planos Nacionais para a Igualdade.

Isabel Cruz, APMD/ CEMRI

 

Asociación de Mulleres Deportistas Galegas (MUDEGA).

Pilar Neira Martínez

 

Atletas Portuguesas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos

Quinta, 13 Janeiro 2011
capa2_apmd_2008_atletas_portuguesas_nos_jo_e_paralimpicos

Ficha Técnica
As Portuguesas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos (1952-1992-2004)
© Associação Portuguesa Mulheres e Desporto 2008
Autoria
Maria José Carvalho e Isabel Cruz
colaboração de Ana Margarida Gomes Tiragem 500 exemplares
Design capa
José Martins
Design gráfico
Marta G. Barata
Impressão e acabamento
Regiset
Data impressão
Março 2008
Depósito Legal
xxxxxx
ISBN
978-989-95112-2-4

 

 

 

 

[Descarregue aqui esta publicação.]

 

Resumo
Tributo às portuguesas, atletas, treinadoras e juízas que participaram nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, na esperança de que o seu exemplo seja multiplicador e galvanizador de vontades e atitudes em prol do desenvolvimento do desporto.

 

Mulheres e Desporto. Declarações e Recomendações Internacionais

Quarta, 12 Janeiro 2011
capa_apmd_2007_mulheres_e_desporto_declaracoes_e_recomendacoes_internacionais

Ficha Técnica
Mulheres e Desporto. Declarações e Recomendações Internacionais
© Associação Portuguesa Mulheres e Desporto 2007
Autoria
Maria José Carvalho e Isabel Cruz
Design gráfico
José Martins
Tiragem
1.000 exemplares
Impressão e acabamento
Regiset
Depósito Legal
260796/07
ISBN
978-972-98686-2-7

 

 

 

 

 

 

 

[Descarregue aqui esta publicação.]

 

Resumo:
Com esta edição a APMD cumpre um dos seus objectivos: dar a conhecer, em Portugal, um conjunto muito alargado de textos de referência, resoluções, recomendações e declarações sobre mulheres e desporto, produzidas por Organizações Inter-Governamentais e Não Governamentais. Dadas as inúmeras situações de desigualdade e de discriminação que a maioria das portuguesas enfrenta na sua participação desportiva, esperamos que este trabalho possa contribuir para uma mudança que urge pôr em prática, nomeadamente por quem tem a responsabilidade e capacidade de decisão.

 

Deusas e Guerreiras dos Jogos Olímpicos

Terça, 11 Janeiro 2011
capa

Ficha Técnica
Deusas e Guerreiras dos Jogos Olímpicos
© Colecção Fio de Ariana 2006
Autoria
Isabel Cruz, Paula Botelho Gomes e Paula Silva
colaboração de Maria José Carvalho
Edição
Teresa Alvarez, Célia Costa e Isabel de Castro
Capa
Susana Santa Clara
Fotografia da Capa Partida das primeiras Atletas olímpicas portuguesas para os Jogos Olímpicos de Helsínquia, 1952. Da esquerda para a direita: Dália Cunha, Laura Amorim, Joseph Sammer e Natália Cunha. (Foto cedida pelo Ginásio Clube Português)
Execução gráfica
Impresse 4
Tiragem
2.500 exemplares
Depósito Legal
240860/06
ISBN
972-597-281-3

 

 

[Descarregue aqui esta publicação.]

 

Resumo
O desporto foi, e ainda é, um espaço de homens, associado a uma imagem de virilidade e de força. Este desporto depara-se com um corpo feminino sujeito aos poderes que ditam as regras de submissão e que a aprisionam à maternidade.Ao reivindicarem iguais direitos no desporto, ao transporem as fronteiras que lhes foram impostas, as mulheres tornaram-se guerreiras, quando conquistaram espaços no território masculino e o seu valor é reconhecido, acedem ao mundo das deusas, junto de Rhea, a mãe de todas as deusas. O desporto não é uma entidade abstracta. A história revela que o desporto foi, e ainda é, um espaço de homens, associado a uma imagem de virilidade e força, conotada com uma determinada identidade masculina. Este desporto depara-se com um corpo feminino que, para além de ser diferente do 'padrão', masculino, é sujeito aos poderes legislativos, religiosos, médicos e filosóficos, tecidos por homens, poderes que o aprisionam à maternidade, e que lhe ditam regras de graciosidade e de submissão. E neste sentido, as mulheres ao reivindicarem iguais direitos e oportunidades no desporto, ao transporem fronteiras que lhes foram impostas, tornam-se guerreiras. À medida que vão conquistando espaço no território masculino, e que se lhes reconhece valor, são modelos importantes no mundo do desporto, acedem ao mundo das deusas, junto a Rhea, a mãe de todos os deuses.

 


Pág. 1 de 2
Não te cales!Não te cales! Exige a igualdade de prémios no Desporto! Clica para denunciar >>